quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Vidraça e muro de vidro matam passarinhos

Vítimas da colisão com vidraças: em três meses 1.000 pássaros, de 89 espécies. Toronto, Canadá. Foto da National Geographic, Novembro 2010. Clique sobre a imagem para ampliar

A estudante de graduação, Liana Cézar Barros, da Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP, publicou um trabalho bem interessante sobre o problema de colisão de aves com vidraças intulado “Morte de pássaros por colisão com vidraças” na Revista Ciências do Ambiente On-Line Dezembro, 2010 Volume 6, Número 3, pag.58.

Na introdução deste trabalho, consta que a segunda maior causa antropológica da mortalidade de pássaros ao redor do mundo, atrás somente da destruição do habitat dos mesmos, é a colisão destes com painéis de vidro transparente e/ou reflexivo, em vidraças de residências e prédios comerciais, tanto em áreas urbanas como no meio rural.

Quem nos visita na sede da RPPN Santuário Rã-bugio em Guaramirim (SC) acha esquisito todas as vidraças das janelas da nossa casa estarem revestidas com plástico bolha (proveniente do descarte de embalagens) pelo lado de fora.

Logo que a casa foi construída e os vidros colocados, começou nossa aflição e desespero para resolver o problema de aves se chocando nas vidraças, até mesmo na minúsculas janelas dos banheiros.

A primeira vítima foi a Juriti-pupu (Leptotila verreauxi) que nós chamamos de rola em Santa Catarina. Logo que amanheceu o dia, esta ave se chocou com a vidraça da cozinha com tanta velocidade que quebrou a vidraça e, obviamente, teve morte instantânea. Outro caso marcante foi de um gavião que perseguia uma Rolinha (Columbina talpacoti), ambos estava alta velocidade quando a rolinha colidiu com a vidraça e numa manobra de grande perícia o gavião consegui evitar o choque e de apanhar sua presa já morta no chão.

Fizemos de tudo para resolver o problema. Seguimos as dicas de colar nas vidraças fitas adesivas vermelhas, amarelas, recorte de figuras de águias etc. Nada disso funcionava. Até hoje as vidraças estão lambuzadas de cola e resíduos destas fitas. Até o Arapaçu-rajado (Xiphorhynchus fuscus) foi vítima, mas sobreviveu como várias outras. Foto que está no link foi tirada após o acidente. Porém, não se sabe se sequelas da colisão não, como possíveis hemorragias cerebrais, não lhes tirou a vida nos dias seguintes.

Gaturamo-ferrugem (Euphonia pectoralis), macho. Passarinho que se chocou com a vidraça da nossa casa e nos fez mudar de atitude. Clique sobre a imagem para ampliar

Mas teve um caso que nos deixou arrasados, muito chocados e cheios de culpa. A Elza testemunhou a cena triste, que nos marcou até hoje. A fêmea do Gaturamo-ferrugem (Euphonia pectoralis) estava se alimentando dos frutos de uma planta epífita (planta aérea, que cresce suspensa nos troncos das árvores), Anthurium scandens, no tronco de um palmiteiro (palmeira jussara, Euterpe Edulis, de onde se extraí o palmito) ao lado da janela da sala. Enquanto a Elza observada a cena, o macho veio em alta velocidade se exibir para a fêmea e se espatifou na vidraça, entre os espaços das tiras de fitas adesivas amarelas fixadas, com cerca de 10 cm. Para quem não sabe, esta espécie formam casais inseparáveis.

Fruto da planta epífita (aérea) da Mata Atlântica Anthurium scandens, uma espécie de antúrio, conhecido como antúrio-aéreo. É muito apreciado pelos gaturamos. Clique sobre a imagem para ampliar

Foi neste dia que partimos para uma solução radical, mas muito eficaz, do plástico-bolha que são descartados de embalagens. Foram colocados em todas as janelas. Há anos que o local tornou-se totalmente seguro para as aves transitarem.

Ultimamente, estamos sendo procurados por vários moradores aflitos de Jaraguá do Sul (SC), onde fica a sede do Instituto Rã-bugio. Estão muito indignados com a moda do momento na cidade: muros de vidro nas residências. Relatam que está ocorrendo uma verdadeira carnificina de aves.

O bom senso das pessoas que estão optando por este muro da morte seria muito bem vindo neste momento em que a natureza está sendo tão massacrada de todas as formas, com este desmatamento que a cada dia encolhe o hábitat das aves. Uma sociedade moderna deveria ter valores onde não pode prevalecer a perversidade de não dar chances para a vida. Que tipo de beleza as pessoas estão apreciando neste muro de vidro?


Leia mais sobre o problema da colisão de aves com vidraças e muros de vidro

Pássaros morrem cada vez mais batendo em vidraças. Matéria da jornalista Sonia Pillon publicada no jornal O CORREIO DO POVO (Jaraguá do Sul-SC) de 27/12/2011

Perigo urbano: Vidraça espelhada mata passarinhos
. Matéria da jornalista Daniela Pereira publicada no
JORNAL DE SANTA CATARINA de 07/11/2009

Reflexo mortal é ignorado. Matéria do jornalista Aldem Bourscheit, site O ECO, Rio de Janeiro (RJ), 17/11/2009

sábado, 3 de dezembro de 2011

Estão sendo criadas mais RPPNs para salvar a riqueza da biodiversidade da Mata Atlântica em Santa Catarina

BEIJA-FLOR-DE-TOPETE (Stephanoxis lalandi) uma das riquezas da biodiversidade que está sendo protegida nas RPPNs criadas. Foto: 26/11/2011.- Clique sobre a imagem para ampliar

Foram protocoladas no ICMBio, órgão federal do Ministério do Meio Ambiente, a criação de mais três RPPNs (Reserva particular do Patrimônio Natural), em Itaiópolis (SC), nas cabeceiras do rio Itajaí, totalizando uma área de 345,71 ha, que fica adjacente às RPPNs já criadas, aumentado para 855,89 ha a área protegida pela criação de unidades de conservação da natureza (federais).

As RPPN protocoladas foram as seguintes:

RPPN Odir Zanelatto – 212,074 haRPPN Raso do Mandi – 54,31 haRPPN Corredeiras do Rio Itajaí II – 79,33 ha

A RPPN Odir Zanelatto pertence ao Instituto Rã-bugio para Conservação da Biodiversidade e foi adquirida com recursos de doadores brasileiros (pessoas físicas) e de projeto submetido a um edital internacional da IUCN da Holanda. O nome é uma homenagem ao empresário Odir Zanelatto, falecido em 1978, aos 44 anos, que era o sócio majoritário e administrador da Indústria Madeireira Lucena Ltda, proprietária de toda a área onde ficam as RPPNs. O Sr. Odir Zanelatto juntamente com seus familiares (herdeiros) foram responsáveis por esta extensa mata preservada riquíssima em biodiversidade ter sido preservada até hoje.

As RPPNs Raso do Mandi e Corredeiras do Rio Itajaí II são áreas adquiridas com recursos próprios (pessoais). Mandi é o nome de um peixe que ocorre no rio Itajaí e neste trecho em frente da RPPN o rio é raso e muito apropriado para a pesca predatória deste peixe com tarrafa, uma pequena rede de pesca, circular, chumbada nas bordas e uma corda ao centro, pela qual o pescador a retira fechada da água, depois de havê-la arremessado aberta.

Vista parcial das RPPNs criadas em Itaiópolis (SC) no vale do rio do Couro, afluente do rio Itajaí. Clique sobre a imagem para ampliar

As RPPNs protegem as nascentes e dezenas de quilômetros de matas ciliares do rio Itajaí, beneficiando a população de Blumenau. Abrigam também uma riquíssima biodiversidade de animais, com muitas aves e mamíferos grandes muito raros e ameaçados de extinção. Está repleta também de gigantescas arvores centenárias ameaçadas de extinção, espécies como canela-sassafrás (Ocotea odorífera), araucária (Araucaria angustifolia) e canela-preta (Ocotea catharinensis).
A proprietária da RPPN, Elza Nishimura Woehl, abraçando um belíssimo exemplar de canela-sassafrás (Ocotea odorífera), especie ameaçada de extintção. Foto: 02/01/2011.- Clique sobre a imagem para ampliar

Para as despesas com a documentação, mapas georreferenciados e memoriais descritivos para o processo de criação das RPPNs recebemos ajuda financeira do Programa Desmatamento Evitado da ONG SPVS de Curitiba, que conta com os recursos doados pelo Banco HSBC, da campanha Seguro Verde Auto. A área já foi adota há 3 anos por este Programa da SPVS para nos ajudar a cuidar da área contra a ação de caçadores e traficante de animais.

Elza Nishimura Woehl observando uma bromélia da espécie Bilbergia alfonso-joannis muito comum na RPPN. Foto: 13/11/2011.- Clique sobre a imagem para ampliar.

Detalhe da beleza da bromélia Bilbergia alfonso-joannis - Foto: 13/11/2011.Clique sobre a imagem para ampliar

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Estudantes das escolas de públicas de Joinville aprendem a gostar da Mata Atlântica

Estudantes de Joinville em contato com a natureza e atentos às explicações de Elza Nishimura Woehl na trilha do Parque Natural Morro do Finder. O projeto vai atender 10 mil estudantes das escolas públicas municipais e estaduais de Joinville.

O Instituto Rã-bugio está em Joinville desenvolvendo com as escolas públicas o maior projeto de Educação Ambiental de sua história, intitulado “Educação ambiental para salvar a Serra do Mar

A meta é atender 10 mil estudantes em atividades interativas com a natureza (trilhas em matas preservadas) proporcionando um grande aprendizado para estes estudantes sobre a Mata Atlântica, como a sua riquíssima biodiversidade, os serviços ambientais como a proteção das nascentes e dos rios. As atividades tiveram início na segunda quinzena de novembro/2011.

O financiamento deste projeto foi submetido e aprovado pelo Conselho do Fundo para a Reconstituição de Bens Lesados (FRBL)*, presidido pelo Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, do Ministério Público de Santa Catarina. TERMO DE CONVÊNIO N. 005/2011/FRBL - Processo n. 054/2010/FRBL).

Este projeto beneficia a cidade de Joinville e está sendo desenvolvido em parceria com as escolas públicas por meio de um convênio com a Secretária Municipal de Educação de Joinville e Gerência Regional de Educação (Gered) de Joinville da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional (SDR).

Joinville é uma cidade que tem pelo menos uma dezena de áreas naturais preservadas na região urbana com toda a infraestrutura e segurança para atividades ao ar livre com os estudantes e com vários tipos de ecossistemas, como manguezais, restingas e floresta densa da Mata Atlântica cortadas por rios de águas cristalinas da Serra do Mar, repletas de biodiversidade.

Para as atividades estão sendo utilizadas as seguintes áreas:
Parque Natural Municipal da Caieira (convênio com a FUNDEMA)
Parque Natural Morro do Finder (convênio com a FUNDEMA)
Jardim Botânico da UNIVILLE (convênio com a UNIVILLE)

Resultados esperados
Todo o entorno da cidade de Joinville é cercado por extensas áreas de ecossistemas preservados (manguezais, Serra do Mar, Restinga e Campos de Altitude) sob forte ameaça de destruição. É de fundamental importância o esforço da nossa geração em formar valores na sociedade para que haja interesse, empenho e comprometimento em assegurar a proteção deste rico patrimônio natural para as gerações futuras.

Com certeza, a decisão dos conselheiros do FRBL de investir os recursos do Fundo em projetos de Educação Ambiental como este vai dar um excelente retorno para a sociedade e fazer a diferença para o futuro do Brasil.

* O FRBL do Ministério Público de Santa Catarina é constituído por receita decorrente de condenações judiciais, por doações, transferências orçamentárias, multas aplicadas em caso de descumprimento judicial (como as previstas nos acordos extrajudiciais) e rendimentos de depósitos bancários e aplicações financeiras (observadas as disposições legais pertinentes)

Estudantes de Joinville em contato com a natureza na trilha do Parque Natural Morro do Finder

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Beleza das Aves da Mata Atlântica da área que estamos salvando

Clique sobre a imagem para ampliar

Imagens do pica-pau BENEDITO-DE-TESTA-AMARELA Melanerpes flavifrons uma das aves coloridas que habita a área que estamos salvando do desmatamento em Santa Catarina, transformando em Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN

As fotos foram tiradas em uma propriedade rural do entorno da reserva, em um pé de laranja-lima.

Clique sobre a imagem para ampliar

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Vídeos da biodiversidade da Mata Atlântica: UM MILHÃO E MEIO de acessos

Flagrante na natureza: Família de pato selvagem, Ananaí (Amazonetta brasiliensis), em um banhado próximo à área urbana de Itaiópolis (SC). O macho tem bico vermelho e a fêmea, bico preto. Foto: 30/10/2011. Clique na imagem para ampliar

A audiência dos vídeos da exuberante biodiversidade que registramos nas nossas RPPNs e entorno atingiu um número impressionante para o Brasil de UM MILHÃO E MEIO DE ACESSOS (registro do Youtube).

http://www.youtube.com/user/germanowoehl

Uma boa parte já está em alta definição e podem ser baixados.

Clique neste vídeo e assista um flagrante emocionante, que faz qualquer um ficar apaixonado pela natureza. Trata-se de um casal de marrequinhas selvagens, Ananaí (Amazonetta brasiliensis) , com os patinhos muito graciosos (fofinhos, mesmo!). São os mesmos da imagem acima. Foram filmados em um banhado próximo à área urbana de Itaiópolis (SC).

Esta espécie é muito visada por caçadores. As imagens revelaram uma crueldade: já deram uma investida para tentar matar o macho (bico vermelho) e acabar com esta família que aparece no vídeo. Ele está com um olho furado e uma asa machucada (dá para ver nestas fotos). Mesmo ferido ele cumpre com empenho sua função de pai ajuda a mamãe cuidar dos patinhos como se nada tivesse acontecido.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Apoio da sociedade para quem defende a natureza



Estas imagens foram gentilmente enviadas de Goiânia (GO) por Regis Rodrigues de Andrade, pai de Nicholas, um aluno de 7 anos, que é este menino simpático em uma das imagens. Tratam-se da apresentação de um trabalho escolar cujo tema era sobre ONGs ambientalistas que lutam para defender a biodiversidade brasileira. Seu filho, incentivado pela família, escolheu o Instituto Rã-bugio p/Conservação da Biodiversidade.

A atitude de brasileiros como a do(a) professor(a) em propor este tema e da família do Nicholas nos enchem de orgulho e nos dá muita esperança de que conseguiremos provocar mudanças na sociedade brasileira a tempo de salvarmos uma boa parte dos nossos ecossistemas e da riqueza de biodiversidade.

Soubemos também que uma escola de Curitiba, que só nos conhecia pelas reportagens de TV e revistas, montou uma peça de teatro baseada na história minha e da Elza, sobre a nossa dedicação em prol da natureza. A professora nos contou isso quando nos conheceu pessoalmente em um evento em Curitiba, um ano depois.

Este apoio da sociedade nos estimula e intensifica cada vez mais nossa força para defender a natureza.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Site do Rã-bugio divulgado na Prova do ENEM 2011

Cópia da página da prova onde aparece a questão citando o site do Instituto Rã-bugio


O Site do Instituto Rã-bugio para Conservação da Biodiversidade http://www.ra-bugio.org.br/ foi citado como referência em uma das questões do ENEM-2011 das provas realizadas no Sábado, dia 22/10/2011.

Tivemos uma explosão de acessos no site no sábado e domingo e não havíamos identificado a origem. Somente agora nos chegou a noticia que nosso site estava na referência da imagem de uma Mata de Araucárias, ecossistema em processo de extinção, que ilustrava a questão da Prova (veja abaixo).

É uma excelente forma de divulgar para milhares de jovens brasileiros o trabalho que realizamos em prol de um futuro melhor para nosso País.


Conteúdo extraído do site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), do Ministério da Educação (MEC), acessado em 25/10/2011.

http://enem.inep.gov.br/

QUESTÃO 11 – Caderno 1 – AZUL

Disponível em: http://www.ra-bugio.org.br. Acesso em: 28 jul. 2010.

A imagem retrata a araucária, árvore que faz parte de um importante bioma brasileiro que, no entanto, já foi bastante degradado pela ocupação humana. Uma das formas de intervenção humana relacionada à degradação desse bioma foi

A. o avanço do extrativismo de minerais metálicos voltados para a exportação na região Sudeste.

B. a contínua ocupação agrícola intensiva de grãos na região Centro-Oeste do Brasil.

C. o processo de desmatamento motivado pela expansão da atividade canavieira no Nordeste brasileiro.

D. o avanço da indústria de papel e celulose a partir da
exploração da madeira, extraída principalmente no Sul do Brasil.

E. o adensamento do processo de favelização sobre áreas da Serra do Mar na região Sudeste.



O site do Instituto Rã-bugio apareceu nas seguintes questões de cada caderno

CADERNO 1 -AZUL – questão 11
CADERNO 2 - AMARELO – questão 7
CADERNO 3 - BRANCO – questão 9
CADERNO 4 - ROSA – questão 11

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Tráfico de animais está dizimando fauna brasileira

Apreensão de filhotes de papagaio feita pela Polícia Ambiental do Estado de São Paulo em Presidente Prudente (SP), dia 28/09/2011 - Foto: Divulgação da Polícia Militar Ambiental de São Paulo.

Época de reprodução na natureza, época dos traficantes faturarem alto

Somente em três apreensões de setembro/2011 foram encontrados em poder dos traficantes mais de 1000 filhotes de papagaio. Imaginem quantos ninhos foram saqueados para obter esta quantidade de filhotes.

Que tragédia, Meu Deus! E tem gente que compra um filhote de papagaio achando que não tem nada a ver com este crime hediondo contra a vida. O tráfico existe porque tem consumidor.

Estes filhotes apreendidos mesmo que sobrevivam jamais poderão voltar para natureza. O destino será o cativeiro, até que a morte chegue para lhes aliviar o sofrimento


Ocorrência: 26/09/2011

Apreendidos 517 papagaios no trevo do ibó, em Belém do São Francisco (PE)

O Ibama foi acionado pela Polícia Federal em Pernambuco para fazer a autuação de dois homens presos, acusados de tráfico de animais silvestres na madrugada da última segunda-feira (26) na BR-316, no trevo do Ibó, em Belém do São Francisco/PE. Os infratores transportavam 517 papagaios num caminhão em condições precárias, amontoados em grades de ferro muito pequenas. Os animais seriam levados de Juazeiro/BA para Caruaru/PE e Maceió/AL. A Polícia Federal acredita que as aves seriam comercializadas na feira de Caruaru ao preço que varia de R$ 100,00 a R$ 200,00 e uma rede de traficantes de animais silvestres pode estar atuando na região, utilizando as BRs 428, 316 e 232 como rota de escoamento das aves. O Ibama aplicou uma multa no valor de R$ 5,17 milhões a cada um dos presos. No início da tarde, as aves foram transportadas para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) em Recife.


Ocorrência: 28/09/2011

Apreensão de 200 filhotes de papagaio

----- Original Message -----
Sent: Friday, September 30, 2011 5:35 PM
Subject: ocorrência de tráfico de animais silvestres do MS para a Capital de SP

Senhores, boa tarde!

Trata-se de uma apreensão realizada por uma de nossas Patrulhas Ambientais, no município de Presidente Prudente.

A ocorrência foi atendida na madrugada de quarta-feira passada e culminou com a apreensão de 200 filhotes de papagaio que estavam sendo traficados do Mato Grosso do Sul e tinham como destino a Capital.

Infelizmente, cerca de 50 filhotes já estavam mortos.

Os filhotes foram destinados a uma instituição da região para os devidos cuidados.

Contra os traficantes foram arbitradas multas que totalizaram R$ 311.500,00, além da responsabilização penal imposta.

O resultado, em que pese indesejado, decorre da intensificação das ações de fiscalização desencadeada em todo o Estado.


Coronel PM - Comandante
Comando de Policiamento Ambiental
Rua Colônia da Glória, 650 - Vila Mariana - CEP 04113.001 - São Paulo - Capital
Fone: (11) 5082.3330

"JUNTOS, FAREMOS UMA POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL CADA VEZ MAIS FORTE".


Apreensão de filhotes de papagaio feita pela Polícia Ambiental do Estado de São Paulo em Presidente Prudente (SP), dia 28/09/2011 - Foto: Divulgação da Polícia Militar Ambiental de São Paulo.



Ocorrência: 16/09/2011

R7 Noticias Do MS Record - Divulgação/PMA

Dupla é presa com 306 filhotes de papagaio em MS

Aprensão de filhotes de papagaios feita pela Polícia Rodoviária Federal em Bataguassu (MS), no dia 15/09/2011. O destino era a capital paulista. Foto: Divulgação da Policia Militar Ambiental de São Paulo.

Aves foram encontradas dentro de uma caixa em um carro na BR-267

Além dos papagaios, foi apreendido um filhote de arara

Dois homens foram presos na quinta-feira (15), na rodovia BR-267, na região de Bataguassu (MS), com 306 filhotes de papagaio e um filhote de arara, que estavam em caixas dentro de um veículo. Após perseguição policial, eles tentaram fugir, abandonando o veículo na estrada, mas foram detidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). As informações são do MS Record.

Os suspeitos, que moram em São Paulo, foram autuados pela PMA (Polícia Militar Ambiental) da cidade em R$ 153.500 cada um e foram encaminhados à Polícia Civil.

Os animais foram recolhidos pela polícia e foram transportados para o CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), em Campo Grande.

Tráfico
De acordo com a Polícia Militar Ambiental, de setembro a dezembro, é período de reprodução do papagaio, a espécie mais traficada em todo o Mato Grosso do Sul. Nesta época, são realizados trabalhos preventivos nas propriedades rurais, por meio de informação da legislação e educação ambiental, para evitar o aumento do tráfico de animais silvestres.


Apreensões
A última apreensão da espécie ocorreu no último sábado (10), quando foram apreendidos 144 filhotes no distrito de Casa Verde, Nova Andradina.

Segundo levantamento da PMA, a região principal do problema está situada entre os municípios de Batayporã, Bataguassu, Ivinhema, Novo Horizonte do Sul, Anaurilândia, Três Lagoas, Santa Rita do Pardo, Nova Andradina e Brasilândia.

Nestas áreas, os policiais estão em constante monitoramento do movimento dos traficantes

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Perigo letal queimar lixo plástico no quintal

O hábito da queima de lixo plástico nos quintais das residências libera fumaça altamente tóxica contendo substâncias químicas conhecidas como dioxinas e furanos* que apresentam um potencial cancerígeno considerável. É um problema ambiental gravíssimo que ocorre no Brasil inteiro, inclusive nas regiões metropolitanas onde há coleta seletiva.

Além da fumaça, o resíduo da queima é da mesma forma muito tóxico, por conter as mesmas substâncias, contaminando para sempre o solo – e não deve ser tocado sem luvas de proteção.

Em Santa Catarina, praticamente todas as residências com fogão a lenha queimam sacos plásticos no fogão (como combustível) junto com a lenha, produzindo grandes quantidades de dioxinas e furanos.

Em São José dos Campos (SP), observo nas imediações do prédio onde moro um catador de recicláveis acumular em seu quintal o descarte de resíduos plásticos sem valor comercial e, com freqüência, atear fogo em tudo, geralmente à noite. A fumaça tóxica se espalha por toda a região central da cidade, se impregnando nos pulmões de milhares de pessoas.

Não há nenhuma campanha para esclarecer a população sobre os riscos à saúde deste péssimo hábito. Ao invés de entregar o lixo para o caminhão de coleta as pessoas acham mais cômodo descartá-lo no quintal de casa e atear fogo, quando não o fazem nas barrocas, terrenos baldios e leito dos rios e córregos.

Eu lembro da minha infância que nas festas juninas em Itaiópolis (SC), antes da era dos sacos plásticos, tínhamos o hábito de queimar pneus velhos na fogueira e a fumaça liberada causava náuseas e muita dor de cabeça. Algumas pessoas da comunidade também queimavam os pneus com freqüência para obter o arame de aço ideal para a fabricação de gaiolas para prender os passarinhos, como o canário-da-terra-verdadeiro (Sicalis flaveola), já que agregavam valor às gaiolas quando as vendiam juntamente com os canários que capturavam na natureza.

Então, a partir daquela época eu já desconfiava que não fazia bem para a saúde queimar pneus. Eu estava certo, conforme revelaram mais tarde os estudos científicos realizados na Europa no final dos anos 70, que inclusive já apontavam a queima de lixo doméstico como a principal fonte de dioxinas.

Algumas formas de dioxinas tóxicas, formadas quando se queimam o lixo plástico, borracha, pneus, solventes etc. (produtos que contenham cloro em sua composição), são consideradas hoje as mais perigosas substâncias já criadas pelo Homem, com grau de toxidade ultrapassando o urânio radioativo (U-235) e o plutônio.

Autoridades do mundo científico destacam que as doenças relacionadas com a contaminação por dioxinas são várias, entre elas o cloroacne**, o câncer no fígado; o câncer no palato; o câncer no nariz; o câncer na língua; o câncer no aparelho respiratório; o câncer na tireóide; a queda de imunidade; malformações e óbitos fetais; abortamentos; distúrbios hormonais; concentrações aumentadas de colesterol e triglicéridos; hiperpigmentação da pele; dor de cabeça e nos músculos; desordem no aparelho digestivo; inapetência, fraqueza e perda de peso; neuropatias; perda da libido e desordens dos sensos.

A contaminação pelas dioxinas ocorre de forma lenta e gradual, em pequenas doses, e não é facilmente detectada porque, em curto espaço de tempo, não gera sintomas. Mas, como são cumulativas no organismo, após alguns anos, as intoxicações pelas dioxinas podem provocar várias doenças fatais.

*Moléculas semelhantes às dioxinas e se diferenciam por possuírem um oxigênio a menos.

** Caracteriza-se pela erupção de comedos e cistos polimórficos após exposição a hidrocarbonetos aromáticos halogenados (que contém cloro), tais como dioxinas e dibenzofuranos. O tratamento é difícil e a cloroacne pode persistir por vários anos, mesmo após interrupção do contato com a substância agressora.

sábado, 10 de setembro de 2011

Por que tantas enchentes em Blumenau?

Deslizamento de grandes proporções ocorrido em 1983 (grande enchente em Blumenau) nas encontas do rio do Couro, onde foi criada a RPPN Taipa Rio do Couro, que faz divisa com outra RPPN que criamos, Corredeiras do Rio Itajai. (clique sobre a imagem para ampliar)

A área da bacia hidrográfica do rio Itajaí é de 15.000 km2 e abrange 47 municípios catarinenses. Em linha reta, a nascente fica a 160 km de distância, em Papanduva (SC). Toda a água drenada nesta imensa área da bacia hidrográfica passa por Blumenau e Itajaí um pouco antes de ser despejada no Oceano Atlântico. Portanto, devido à localização e a imensa área da bacia hidrográfica situada em uma região com elevado índice pluviométrico qualquer chuva forte causa problemas nestas cidades.

São comuns fotos antigas mostrando inundações em Blumenau. No álbum da minha família tem várias destas fotos amareladas, de um período na década de 50 que meu irmão mais velho morou na cidade para estudar. Não é por acaso que desde sua fundação, em 1852, Blumenau já teve 70 enchentes registradas. Uma enchente a cada 2 anos e 3 meses. Há relatos que um ano após a fundação o vilarejo formado pelos primeiros colonizadores já sofreu uma inundação.

Deslizamentos nas cabeceiras do rio Itajai, na RPPN Refúgio do Macuco, ocorridos em set/2o11. Consequência do desmatamento na borda da chapada realizado em 2005. Repare que o infrator continua desmatando. Foto 17/09/2011.


Deslizamento ocorrido nas cabeceiras do rio Itajaí, em frente da RPPN Corredeiras do Rio Itajai. Foto 16/09/2011

Nos últimos anos tem aumentada consideravelmente a pressão para destruir o que resta de mata ciliar preservada, sobretudo nas cabeceiras do rio Itajaí. Isto significa que deve agravar muito o problema das enchentes em Blumenau nos próximos anos. As matas preservadas prestam um serviço ambiental de reter a água das chuvas e liberá-la aos poucos para os rios. Sem as matas, as águas das grandes enxurradas escoam instantaneamente para os rios provocando as enchentes. Com esta devastação toda que está ocorrendo, a situação de quem vive em Blumenau e Itajaí fica a cada dia mais dramática.

Deslizamentos nas cabeceiras do rio Itajaí, em frente da RPPN Corredeiras do Rio Itajai. O deslizamento da esquerda foi consequencia de uma estrada construida recentemente por caçadores para caçar no entorno da RPPN. Foto 16/09/2011

Diante de tanta destruição nós decidimos salvar uma área da bacia hidrográfica do rio Itajaí que concentra uma grande quantidade de rios e nascentes, ou seja, estamos salvando concretamente dezenas de quilômetros de matas ciliares e uma riquíssima biodiversidade. Com muito esforço, usando nossas economias, já conseguimos salvar 860 hectares, que foram comprados pedacinho por pedacinho. Deste total, 215 hectares foram comprados pelo Instituto Rã-bugio para Conservação da Biodiversidade com dinheiro de doadores, que sensibilizaram com a nossa luta. Quase toda a área já foi transformada em Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) , situação onde nunca mais poderá ser desmatada.

Deslizamento ocorrido nas cabeceiras do rio Itajaí, em frente da RPPN Corredeiras do Rio Itajai. O local foi desmatado em outubro de 2010. Foto 16/09/2011

Estas poucas matas preservadas que restam e que lutamos para salvar também são castigadas toda a vez que chove muito. Sofrem os efeitos das degradações causadas no entorno, como a ocupação irregular das bordas dos penhascos (chapadas). A cada chuva forte ocorre um deslizamento de grandes proporções. Toda a vegetação e detritos vão parar no rio, represando suas águas até encher rapidamente e estourar, formando uma cabeça d’água (com vários metros de altura), com um poder de destruição semelhante a um tsunami avassalador, que causa uma grande devastação nas margens, arrancado árvores centenárias e destruindo os barrancos.

Destruição provocada por uma cabeça d'água que se formou devido ao represamento - e rompimento em seguida - do rio do Couro pelo desmoronamento da encosta. Este local fica na RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, em Itaiópolis (SC) Foto: 22/01/2010.

Somente no entorno da RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, a 140 km de Blumenau, com as chuvas intensas dos últimos anos já ocorreram sete deslizamentos de grandes extensões que represaram o rio do Couro, afluente do rio Itajaí do Norte, que atravessa a RPPN. Veja as imagens. É triste de ver o cenário de destruição que a cabeça d’água provoca nas margens, desestabilizando os barrancos que passam a desmoronar com freqüência, derrubando mais árvores raras e centenárias e assoreando os rios.

Árvore caída sobre o rio do Couro na RPPN Corredeiras do Rio Itajai, devido a desestabilização do barranco causada pela erosão da cabeça d'água (liberação da água represada pelos detritos do desmoranamento)

O futuro de Blumenau e Itajaí vai depender dos resultados de nossos esforços de salvar o que resta das matas que protegem as cabeceiras do rio Itajaí. Uma luta que começou no início dos anos 70, quando era adolescente e tentava impedir o desmatamento das margens do rio Itajaí denunciando inutilmente para as autoridades em Brasília, mas não desisti. Nos últimos anos, finalmente, começamos a virar o jogo em Itaiópolis e municípios vizinhos, quando as promotorias (Ministério Público) e Poder Judiciário das comarcas destes municípios começaram a exigir o cumprimento das leis ambientais. Só em Itaiópolis (SC), pelo menos 300 infratores foram multados e processados por crime de desmatamento, a maioria na bacia hidrográfica do rio Itajaí. Claro que o trabalho da fiscalização do IBAMA-SC e Polícia Ambiental de Santa Catarina foi também de fundamental importância.

A pressão para destruir o que resta da mata ciliar do rio Itajaí fica cada vez mais forte e a área a ser fiscalizada é muito extensa o que exige um grande investimento do poder público em infraestrutura de pessoal e de equipamentos para fortalecer os órgãos de fiscalização, como Polícia Ambiental, para que se consiga dar uma proteção adequada à matas preservadas remanescentes do rio Itajaí. O que podemos garantir por enquanto são os 860 hectares que compramos e já transformamos quase tudo em RPPN.

sábado, 3 de setembro de 2011

A luta para impedir que caçadores exterminem a fauna da Mata Atlântica

Acampamento de caçadores na RPPN Refúgio do Macuco, anexa à RPPN Corredeiras do Rio Itajai.

A Mata Atlântica é um ecossistema em acelerado processo de extinção. Restam apenas alguns fragmentos, que ainda abrigam animais raros e ameaçados de extinção. Medidas extremas são necessárias para salvar da destruição total estes vestígios da Mata Atlântica, como comprar estas áreas e transformá-las em reserva (RPPN – Reserva Particular do Patrimônio Natural) . É o esforço que estamos fazendo nos últimos anos.

Acampamento de caçadores na RPPN Refúgio do Macuco, às margens do rio do Couro. Na margem oposta fica a RPPN Corredeiras do Rio Itajaí.

Não podemos deixar uma floresta vazia para as gerações futuras. Sem os animais uma floresta morre lentamente porque são eles que plantam as árvores. Deter a ação dos caçadores determinados a não desistirem enquanto não terem certeza que mataram o último animal aparenta ser uma tarefa fácil, mas descobrimos que não é tão simples assim. Esta batalha que estamos travando com os caçadores que atuam na RPPN Corredeiras do Rio Itajaí e entorno nos mostrou que comprar uma área e transformar em RPPN é a parte mais fácil de todo o processo para proteger uma área.

Por ser uma das poucas áreas bem preservada e abrigar uma fauna impressionante de mamíferos e aves muito visados e já exterminados em outros lugares, a pressão de caçadores é muito forte. Já localizamos 9 barracos e ranchos no entorno e até dentro da RPPN construídos pelos caçadores (veja as imagens). Armadilhas e cevas são comuns de serem encontradas. Grupos de até 15 caçadores fortemente armados já foram vistos (e filmados) entrando na RPPN, na barra do rio do Couro (afluente do rio Itajaí) para acampar em um feriado prolongado e destruindo a tiros as placas de advertência que ali é uma área protegida.

Armadilha para capturar PACA (Agouti paca), mamífero ameaçado de extinção e muito raro em Santa Catarina, encontrada na RPPN Corredeiras do Rio Itajai, em Itaiópolis (SC).

Há dois meses, o rapaz que contratamos para cuidar da RPPN quase virou presa dos caçadores e teve a oportunidade de ver de perto um caçador em atividade. Ele ouviu um cachorro latir e se aproximar. Imediatamente se escondeu, deitando no chão. Logo em seguida apareceu o caçador com uma espingarda nas costas e atiçando cachorro. Para sorte do rapaz o cachorro não teve interesse em localizá-lo e o caçador que havia se aproximado até uns 10 metros desistiu de seguir adiante e afastou-se em seguida.

Não está havendo omissão das autoridades locais para o problema do crime de caça. O Ministério Público (Promotoria) e o Poder Judiciário de Itaiópolis têm aplicado todo o rigor da lei para desestimular a ação dos caçadores. Várias armas já foram apreendidas e infratores processados. A Polícia Ambiental de Canoinhas têm feito várias incursões pela mata, subindo e descendo grotões, para surpreender os caçadores que atuam nos lugares mais isolados. Já efetuou prisões de caçadores em flagrante. A Polícia Ambiental de Rio do Sul também faz rondas pela estrada às margens do rio Itajaí e já prendeu caçadores e traficantes de animais (passarinhos) em flagrante. Já tivemos apoio até da Polícia Federal, que recentemente abriu inquérito e está indiciando suspeitos.

Acampamento (barraco de lonas plásticas) de caçadores no meio da mata localizado e destruido pela Polícia Ambiental de Canoinhas (SC).

Com muita dificuldade, um grande esforço das autoridades, como da polícia ambiental, consegue-se inibir a ação de um grupo de caçadores, mas alguns meses depois surge outro mais desafiador ainda, que demanda muito mais esforços e exige outro tipo de tática. Os caçadores atuam em locais de difícil acesso, sem estradas e protegidos por barreiras naturais, como o rio Itajaí e paredões rochosos com até 100 metros de altura.

Acampamento de caçadores às margens do rio Itajai situado na área comprada recentemente para integrar a RPPN Corredeiras do Rio Itajaí.

Boa parte dos caçadores é de fora, mora em São Bento do Sul (SC), Blumenau (SC) Santa Terezinha (SC), Itaiópolis (SC) etc., e recebem apoio para guardar as armas e hospedagem de alguns moradores do entorno, geralmente com vínculo de parentesco com alguém do grupo. Alguns moradores do entorno não resistem à tentação de continuar caçando na RPPN, mesmo correndo o risco de serem presos, cujas chances aumentam a cada dia e eles sabem muito bem disso.

Ficamos indignados com o fato de toda a vez que um caçador é preso, indiciado ou teve a arma apreendida ele passa a nos ameaçar, mandando recado por meio de terceiros, geralmente parentes. Basta que o caçador perceba que aumentou o risco de ser pego em flagrante pela polícia que ele parte para ameaças. Dias atrás um recado que mandaram para mim foi o seguinte: “Eu sei como esperar com a espingarda e matar um bicho que anda por uma trilha na mata e tática para pegar o Germano é a mesma”. O que o caçador não sabe é que este tipo de ameaça não surte o efeito desejado, não me intimida mais, porque eu já estou acostumado.

Tubo de PVC com tampas utilizado para esconder espingardas encontrado em um acampamento de caçadores.

É um desafio muito grande defender com seriedade a natureza no Brasil. Os animais silvestres estão com dificuldade em sobreviver nos fragmentos cada vez menores da Mata Atlântica e ainda precisa escapar dos tiros e armadilhas de caçadores impiedosos, que não respeitam nada.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Árvore da Mata Atlântica ameaçada de extinção abatida e esquecida na mata

CANELA-PRETA (Ocotea catharinensis), espécie de árvore da Mata Atlânica ameaçada de extinção, que foi abatida há mais de 30 anos e esquecida na mata, onde hoje foi criada a RPPN Corredeiras do Rio Itajai. Clique sobre a imagem para ampliar

Esta imagem é da RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, localizada em Itaiópolis (SC), e mostra um exemplar de CANELA-PRETA (Ocotea catharinensis), espécie ameaçada de extinção, que foi abatida provavelmente no início dos anos 80 (há 30 anos) e esquecida no meio da mata, isto é, não foi aproveitada. A parte mole já apodreceu (só ficou o cerne, a parte mais dura e resistente da madeira). Uma canela-preta para atingir este tamanho leva pelo menos 300 anos.

O local fica ao lado da estrada que abriram com trator-de-esteira no meio da mata para extração da madeira mais valiosa. Já é o segundo exemplar de canela-preta abatida e não aproveitada que encontramos na RPPN

Para nossa sorte, foram esquecidos também vários exemplares vivos de canela-preta e canela-sassafrás em lugares fáceis de tirarem. Nos lugares de difícil acesso, a mata está ainda intacta.

Cepo e tronco da canela-preta  (Ocotea catharinensis) abatida há mais de 30 anos. As partes moles já apodreceram. Clique sobre a imagem para ampliar

A Canela-preta é uma espécie da flora brasileira ameaçada de extinção do ecossistema da Mata Atlântica, segundo a Portaria do IBAMA nº 37-N, de 3 de abril de 1992 (Lista Oficial de Espécies da Flora Brasileira Ameaçada de Extinção)

De acordo com Reitz et al (1978), em Santa Catarina, a canela-preta chega a representar até um terço do volume em madeira em matas primárias na floresta pluvial atlântica. Devido à qualidade de sua madeira e ao amplo uso para que se presta, em Santa Catarina esta foi severamente explorada. A medida que ia ficando rara, seu valor comercial aumentava, viabilizando a extração em locais de difícil acesso.

Exemplar gigantesco de canela-preta (Ocotea catharinensis) que está a salvo na RPPN das Araucárias Gigantes, em Itaiópolis (SC). Foto: 10/02/2013. Clique sobre a imagem para ampliar
Nos pisos das casas construídas na primeira metade do século XX, nas vertentes litorâneas do Estado de Santa Catarina, é comum encontrarmos a dobradinha canela-preta/peroba, dando aspecto listrado aos assoalhos com tons tendendo ao amarelo/negro para a peroba e canela respectivamente. De acordo com Klein (1978-1980), na bacia do Rio Itajaí-Açu, a canela-preta formaria, junto com a laranjeira-do-mato (Sloanea guianensis) e peroba-vermelha (Aspidosperma olivaceum), as espécies dominantes do estrato superior da floresta pluvial atlântica.

Referências

Klein, R.M. Ecologia da flora e vegetação do Vale do Itajaí. Sellowia, 30 e 31. 1979-1980.
Reitz,R.; Klein,R.M.; Reis, A. Projeto Madeira de Santa Catarina. 1978. 320 p.

sábado, 16 de julho de 2011

Salvo mais um pedaço da ameaçada Mata Atlântica

Imagem da nova aquisição, que vai salvar para sempre a mata ciliar do rio Itajaí. Figueiras gigantescas repletas de orquideas, bromélias, cipós e outras plantas aéreas mostram a importância de salvar estas áreas para as gerações futuras. Clique sobre a imagem para ampliar

Com grande alegria informamos que no dia 13/07/2011 concretizamos a compra de mais uma área de Mata Atlântica com 54,5 hectares que é confrontante com a RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, em Itaiópolis (SC), possibilitando ampliar a área que ficará protegida para as gerações futuras. Além da riquíssima biodiversidade, neste terreno ficam as mais belas taipas (paredões rochosos) do trecho do rio Itajaí que corta o município de Itaiópolis.

Nestes paredões rochosos vive e se reproduz o GAVIÃO-POMBO-GIGANTE (Leucopternis polionotus) , ameaçado de extinção. Clique no link e veja as imagens desta ave magnífica que fizemos no local. É enorme e emite o som semelhante ao daquelas águias (ou falcões) que aparecem nos filmes norte-americanos.

As fotos destes gigantescos paredões, local de refúgio e nidificação para aves ameaçadas de extinção, foram tiradas da estrada, na margem oposta do rio Itajai, que pertence ao municipio de Santa Terezinha (o rio Itajai faz a divisa com Itaiópolis). Clique sobre a imagem para ampliar

Nestas taipas se reproduz também o URUBU-REI (Sarcoramphus papa), ameaçado de extinção. Moradores sempre avistam um casal frequentado o local. O rio Itajaí neste ponto é chamado de raso do mandi, porque dizem que é o local onde ocorre a desova do mandi (uma espécie de bagre). É muito visado pelos pescadores que praticam a pesca predatória com tarrafas na época de procriação. A partir de agora este local ficará protegido pela vigilância da RPPN e a presença freqüente da Polícia Ambiental.

Com esta área, já conseguimos salvar para as gerações futuras temos 830 hectares, sendo que 215 hectares foram adquiridos com recursos de doadores (veja esta matéria “Brasileiros fazem doações para salvar a Mata Atlântica” e pertencem ao Instituto Rã-bugio. Será protocolada a criação da RPPN como fizemos nas demais áreas nas próximas semanas.


Imagem da área preservada adquirida, às margens do rio Itajaí, em Itaiópolis (SC), que será transformada em RPPN, para garantir sua preservação para as gerações futuras. Clique sobre a imagem para ampliar

domingo, 3 de julho de 2011

Criação de abelhas silvestres (meliponicultura) ameaça colmeias na natureza

Cepo de uma PEROBA (Aspidosperma olivaceum) centenária com 70 cm de diâmetro abatida criminosamente com motosserra para retirada de uma colméia de abelhas silvestres. O local fica em uma área de Mata Atlântica primária, em uma encosta às margens do rio Itajaí, onde foi criada a RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, em Itaiópolis (SC).


A pior coisa que pode acontecer para uma espécie de planta ou animal é ser alvo da cobiça humana. O fato de uma área ser protegida e vigiada não é empecilho para alguém que deseja saquear algo que pode lhe render alguns trocados.

A bola da vez são as abelhas nativas da Mata Atlântica, ou sem ferrão, cujo comércio tem sido fortemente impulsionado ultimamente com a propaganda de que podem ser exploradas intensivamente para produção de mel, com promessas de ser uma atividade altamente lucrativa. Pelo menos para os saqueadores de colméias em áreas protegidas de matas nativas deve ser, pois já estão ganhando dinheiro sem investimento nenhum.

No meio da área mais preservada da RPPN Corredeiras do Rio Itajaí, em Itaiópolis (SC), observamos algo inacreditável. Uma árvore centenária, com 70 cm de diâmetro, foi abatida com uma motosserra apenas para saquear uma colmeia de abelhas silvestres. O tronco que estava oco foi seccionado para ser levado apenas a parte onde estava a colméia. Veja as imagens. Não conseguimos identificar a espécie de abelha silvestre, para saber se é ou não espécie ameaçada de extinção.


Detalhe do tronco da PEROBA (Aspidosperma olivaceum) abatida onde foi saqueada uma colmeia de abelha silvestre na RPPN Corredeiras do Rio Itajai
 
O que restou da PEROBA (Aspidosperma olivaceum) centenária abatida: troncos seccionados com motosserra para retirada da colmeia de abelhas silvestres

Secção do tronco da PEROBA (Aspidosperma olivaceum) abatida onde estava parte da colmeia de abelhas silvestres saqueada

Na área onde fica o Centro Interpretativo da Mata Atlântica (CIMA), em Jaraguá do Sul (SC), na parte mais preservada, encontrei recentemente outra árvore abatida com o propósito de saquear uma colmeia de abelhas silvestres.

Isso mostra que o problema é preocupante porque já não temos tantas matas preservadas para proteger a biodiversidade e que podem estar sendo garimpadas as últimas colmeias de certas espécies. Descobri que estas colmeias saqueadas da natureza são vendidas para os criadores por R$ 70,00

 Troncos com colméias de abelhas silvestres saqueadas da natureza na casa de morador do entorno da RPPN Corredeiras do Rio Itajai. Foto: Christopher Thomas Blum

Este tipo de apicultura utilizando as abelhas nativas ganhou até um nome especial, meio complicado, de meliponicultura, como uma estratégia de marketing para mostrar que está se explorando algo novo, diferente, mas não é bem assim.

Quando o assunto é domesticação de plantas e animais, o principal equívoco que se comete é ignorar a experiência do passado do ser humano em lidar com as leis da natureza. Esta experiência ainda não acabou. Nesta dura batalha que nossa espécie travou contra a natureza, para explorá-la de modo a aumentar indefinidamente nossa população, que deverá atingir 7 bilhões neste ano, nossos principais alimentos são provenientes de apenas algumas espécies plantas e animais que foram domesticados por volta de 10 mil anos e desde esta época não surgiram grandes novidades.

Mel não é um alimento básico dos humanos. É uma iguaria bastante antiga, mas chegou à mesa das classes menos abastadas somente as últimas décadas, em decorrência da produção comercial de mel em larga. Para esta finalidade, não foi por acaso a escolha da abelha européia Apis mellifera, espécie dócil, que foi miscigenada aqui no Brasil com outra subespécie Apis mellifera scutellata, de origem africana, que denominamos de africanizada, com os propósitos de aumentar a produção, mas tem causado todos estes problemas, com muitos acidentes graves, provocando a morte de centenas de pessoas todos os anos.

Há muitas evidências de que a opção de explorar abelhas nativas da Mata Atlântica para a produção comercial de mel em larga escala foi considerada, testada intensamente e descartada em vários momentos da nossa história nos últimos 300 anos, pelo menos.

A produção de mel com estas abelhas em pequena escala existe há décadas. Quem já não foi abordado nas ruas das grandes metrópoles desde a década de 70, ou antes disso, não sei, por um vendedor ofertando mel de abelha jataí (certamente falso) a um preço 10 ou 20 vezes maior do que o mel de abelha africanizada?

O argumento de que a produção em pequena escala ajudará na geração de renda de pequenos agricultores (agricultura familiar) é pouco provável que ocorra, considerando que já estão com dificuldade em vender ao consumidor final por R$ 5,00 o quilo do mel de abelha africanizada que é relativamente fácil de produzir. Inclusive produtores rurais no entorno de grandes metrópoles ricas do nosso País não estão conseguindo mercado para o mel que produzem de abelhas africanizadas com preços populares. O que dirá, então, vender um mel que custa 10 ou 20 vezes mais, produto de alto valor que é muito mais visado pelos falsificadores – e dificulta a aceitação.

Além de um mercado muito limitado, as dificuldades de manejo são imensas. Haja vista do que ocorre com a apicultura tradicional, que para sobrevivência da colmeia é necessário deixar certa quantidade de mel, mas nem sempre os apicultores, principalmente os inexperientes, respeitam este limite e perdem todas as colmeias nos invernos mais rigorosos. Imagine, então, como será difícil controlar a ganância para um produto que custa R$ 100,00 o quilo e de espécies de abelha que só toleram retirar uma quantidade muito pequena de mel. Portanto, as colmeias saqueadas na natureza vão morrer nas mãos dos criadores em pouco tempo.

As doenças desconhecidas ainda que advirão da criação intensiva de abelhas silvestres é outra grande ameaça às espécies nativas que habitam nossas matas preservadas. Mas pela situação vulnerável em que se encontram hoje, poderão desaparecer da natureza bem antes disso, pelo simples saque das colmeias, como estamos observando.

Na Mata Atlântica ocorre uma interação muito forte entre plantas e animais. A dispersão das sementes e polinização da maioria das plantas são serviços realizados por animais (aves, mamíferos e insetos). Algumas espécies de abelhas silvestres são polinizadores específicos de certas árvores e o declínio ou extinção destes insetos representa a fim para estas árvores e consequentemente pode causar um colapso em todo o ecossistema.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Educação Ambiental está incluída no "PAC" da Educação de Obama

Estudantes de uma escola pública de Jaraguá do Sul (SC) nas atividades de interpretação de trilhas na RPPN Santuário Rã-bugio. As escolas norte-americanas são fortemente estimuladas pelo governo para terem atividades de Educação Ambiental ao ar livre, em contato direto com a natureza, exatamente como trabalhamos em nossos projetos em parceria com as escolas.

Obama entra para a história da Educação Ambiental nos EUA" é o título da matéria abaixo


Em plena crise econômica, o orçamento para a educação básica dos Estados Unidos prevê verba específica para o currículo de EDUCAÇÃO AMBIENTAL de quase R$ 0,5 bilhão para o ano de 2011.

Pela primeira vez, um orçamento federal de educação inclui o financiamento para a educação ambiental.

O Senador Jack Reed, de Rhode Island, disse:. "Este orçamento é um importante passo para impulsionar a educação ambiental na escola e dar mais oportunidade para as crianças saírem da sala de aula [para atividades ao ar livre] e aprenderem sobre o mundo natural ao seu redor"

Em várias matérias de jornais do ano passado, Barack Obama, prometeu revolucionar a educação básica nos Estados Unidos. Nesta reforma, Obama incluiu a Educação Ambiental. Disse em uma entrevista: "Eu não esqueci da Educação Ambiental"


A Blueprint for Reform
The Reauthorization of the Elementary and Secondary Education Act
United States Department of Education - March 2010
O documento da Reforma da Educação está disponível no site do "MEC norte-americano"

Estudantes aprendendo sobre a vida dos anfíbios na natureza em uma da lagoa da RPPN Santuário Rã-bugio. Os projetos de educação ambiental do Instituto Rã-bugio levam os estudantes para descobrir como funciona o mundo natural.

Matéria sobre o financiamento público do governo norte-americano para fortalecer o currículo de Educação Ambiental na escola

Obama Makes Environmental Education History
(Tradução: Obama entra para a história da Educação Ambietnal)


President Obama continues to make history with his proposed
2011 Education Budget, and environmental allies, like the 50 million member strong No Child Left Inside coalition, are cheering. For the first time ever, a federal education budget includes funding for environmental education.

The environmental focus can be found in the budget sub-section called "A Well-Rounded Education". It proposes $265 million dollars (a 17% increase) to support five subjects listed as vital to a complete curriculum. Environmental literacy is one of them, so schools may finally receive funding to educate kids on the impact of greenhouse gases, what happens to trash thrown on the ground after it rains, and how to recycle.

Although the amount budgeted isn't the end-all be-all of funding, legislators committed to environmental education like Rhode Island Senator Jack Reed, are giving President Obama credit for putting the issue on the table. "This budget takes an important step toward boosting environmental education in the classroom and giving more kids the opportunity to get out and learn about the natural world around them," says Reed.

Of course, the 2011 Budget still needs to be approved by Congress, meaning the historic funding environmentalists are so excited about may end up getting the axe.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Contato com a natureza melhora a concentração das crianças nos estudos e ajuda na terapia da hiperatividade

Estudantes de uma escola pública de Navegantes (SC) interagindo com a natureza nas trilhas interpretativas da RPPN Santuário Rã-bugio, em Guaramirim (SC). Clique sobre a imagem para ampliar.


Uma pequena “dose de natureza” melhora a concentração das crianças nos estudos e ajuda no tratamento da hiperatividade

A importância do nosso projeto de educação ambiental em trilhas interpretativas de matas preservadas para interação das crianças e adolescentes com a natureza, que já atendeu nas trilhas da Mata Atlântica 50 mil estudantes das escolas públicas nos últimos 10 anos. Conheça os projetos em andamento acessando este link

Estudos realizados nos Estados Unidos por cientistas da Universidade de Illinois, publicados em 2008, revelaram que apenas 20 minutos de atividades em trilhas interpretativas (“uma pequena dose de natureza”) já é suficiente para melhorar a concentração das crianças nos estudos. Sugerem que o contato com a natureza pode ser útil como uma terapia complementar ou preventiva para crianças diagnosticadas com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Neste trabalho os cientistas dizem que os efeitos da pequena "DOSE DE NATUREZA" (20 minutos de contato com a natureza) foram semelhantes aos obtidos com doses ministradas do medicamento a base de metilfenidado (methylphenidate) para tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Segue abaixo a tradução do resumo do artigo.

Crianças com déficit de atenção concentram-se melhor após a caminhada no parque

Andrea Faber Taylor
Frances E. Kuo
University of Illinois, Urbana-Champaign

Objetivo: Na população em geral, a atenção é comprovadamente reforçada após a exposição a certos ambientes físicos, particularmente ambientes naturais. Este estudo analisou os impactos dos ambientes sobre a atenção em crianças com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Método: Neste dentro do projeto de disciplinas, cada participante experimentou cada um dos três tratamentos (ambientes) em um único ensaio clínico controlado. Dezessete crianças 7 a 12 anos com diagnóstico de TDAH experimentaram cada uma os três ambientes de um parque da cidade e outros dois em centros urbanos, através de passeios individuais guiados de 20 minutos. Ambientes foram experimentados em intervalos de 1 semana, com a atribuição ao acaso para a ordem de tratamento. Depois de cada passeio, a concentração foi medida usando um teste de memorização regressiva de números (Digit Span Backwards.) Resultados: As crianças com TDAH se concentraram melhor depois do passeio no parque do que após a caminhar no centro da cidade (p = 0,0229) ou no bairro (p = 0,0072). Os efeitos foram significativos (Cohen d =. 52 e 0,77, respectivamente) e semelhantes aos relatados para as formulações recentes do medicamento metilfenidato.

Conclusão: Em apenas vinte minutos em de caminhadas nas trilhas de um parque foi suficiente para elevar o desempenho da atenção em relação ao mesmo período de tempo em outros ambientes. Estes resultados indicam que os ambientes naturais podem realçar a atenção não só na população geral, mas também nas populações de TDAH. "Doses de natureza” podem ser utilizadas como um método seguro, barato e amplamente acessível para tratar dos sintomas de TDAH

Crianças nas atividades interativas com a natureza nas trilhas da RPPN Santuário Rã-bugio, em Guaramirim (SC), monitoradas por Elza Nishimura Woehl



Children With Attention Deficits Concentrate Better After Walk in the Park

Journal of Attention Disorders OnlineFirst, published on August 25, 2008 as doi:10.1177/1087054708323000

Andrea Faber Taylor

Frances E. Kuo
University of Illinois, Urbana-Champaign


Objective: In the general population, attention is reliably enhanced after exposure to certain physical environments, particularly natural environments. This study examined the impacts of environments on attention in children with ADHD.

Method: In this within subjects design, each participant experienced each of three treatments (environments) in single blind controlled trials. Seventeen children 7 to12 years old professionally diagnosed with ADHD experienced each of three environments—a city park and two other well-kept urban settings—via individually guided 20-minute walks. Environments were experienced 1 week apart, with randomized assignment to treatment order. After each walk, concentration was measured using Digit Span Backwards. Results: Children with ADHD concentrated better after the walk in the park than after the downtown walk (p= 0.0229) or the neighborhood walk (p = 0.0072). Effect sizes were substantial (Cohen’s d = 0.52 and 0.77, respectively) and comparable to those reported for recent formulations of methylphenidate.

Conclusion: Twenty minutes in a park setting was sufficient to elevate attention performance relative to the same amount of time in other settings. These findings indicate that environments can enhance attention not only in the general population but also in ADHD populations. “Doses of nature” might serve as a safe, inexpensive, widely accessible new tool in the tool kit for managing ADHD symptoms. (Journal of Attention Disorders, v12 n5 p402-409, 2009)


Keywords: children; attention; physical environment; symptom management

Andrea Faber Taylor is a postdoctoral research scientist
studying children’s environments and behavior in the
Department of Natural Resources and Environmental Sciences
at the University of Illinois, Urbana-Champaign.

Frances E. Kuo is an associate professor in the Department of
Natural Resources and Environmental Sciences, and the
Department of Psychology at University of Illinois, Urbana-
Champaign.