quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Final Feliz: Arrombamento e furto no Centro Interpretativo da Mata Atlântica

Graças à eficiência da policia de Jaraguá do Sul (SC), teve um final feliz o episódio do furto de materiais de construção do Centro Interpretativo da Mata Atlântica, ocorrido na semana passada.

Veja as imagens da fase atual da construção, clique aqui

Ladrões arrombaram dois depósitos que guardavam o material mais caro desta fase final da construção (acabamento), como fios elétricos, sanitários e hidráulica, comprado com dinheiro de doações e do patrocínio da Petrobras, Programa Petrobras Ambiental.

Quando foi comunicada do fato, a Elza estava em São José dos Campos (SP), trabalhando no projeto patrocinado pela Johnson & Johnson, “Mata Atlântica é qualidade de vida” , que é desenvolvido nas escolas daquele município e teve que viajar às pressas para SC. Estávamos muito preocupados com o material didático estocado, que, Graças a Deus, não sofreu vandalismo.

Ao registrar um boletim de ocorrência, o comissário de polícia comentou que tinha sido presa uma pessoa durante a madrugada em atitude suspeita, transitando pela cidade, com materiais de construção. Posteriormente, enviou fotos do material para a Elza reconhecer. De posse das notas fiscais se comprovou que realmente era o material furtado. Os itens apreendidos eram exatamente aqueles registrados no BO e que constavam nas notas fiscais apresentadas.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Dia da árvore: finalmente achamos uma na Mata Atlântica que produz jóias!

Sementes coloridas ("jóias") da árvore da Mata Atlântica "olho-de-cabra" que encontramos na RPPN Taipa do Rio Itajaí, em Itaiópolis (SC).

Neste dia da árvore, vamos homenagear uma árvore bastante simbólica da Mata Atlântica. É uma árvore desconhecida para a maioria das pessoas, mas sua semente é uma das mais chamativas que existe no mundo, cuja foto está acima. Trata-se da árvore conhecida popularmente pelos nomes olho-de-cabra, coronheiro, pau-ripa, dentre outros. O nome científico é Ormosia arborea, da Família: Fabaceae Faboideae

É uma árvore muito cobiçada pelo homem não exatamente pela beleza das sementes, mas para ser abatida pela qualidade da madeira. Eu desejei muito ter esta árvore em nossas propriedades, para proporcionar as gerações futuras o prazer de admirar esta beleza da biodiversidade da Mata Atlântica.

Elza abraçada ao tronco de uma magnífica árvore "olho-de-cabra" (Ormosia arborea) que finalmente encontramos na RPPN Taipa do Rio Itajaí em plena produção de sementes ("jóias"), no dia 06/09/2010.

Já produzi centenas de mudas, o que é muito fácil, mas apenas uma das mudas transplantadas sobreviveu na RPPN Santuário Rã-bugio e apresenta um crescimento extremamente lento. Creio que vai levar décadas para atingir a fase adulta, talvez até mais de 100 anos, se sobreviver, porque têm exigido um cuidado constante nos últimos 16 anos e ainda não passou de 30 cm de altura. Está muito doente. Parece querer nos enviar uma mensagem de que na natureza não é possível reconstituir aquilo que foi destruído e que todo o nosso esforço deve ser no sentido de salvar o que ainda resta, ou seja, proteger as árvores adultas, que já estão aí e não precisamos esperar 200 ou 300 anos para saber se uma mudinha plantada hoje irá vingar.

Então, minha esperança passou a ser encontrar esta magnífica árvore em nossas áreas protegidas (RPPNs) de Itaiópolis (SC). Os moradores do entorno garantiram que têm vários exemplares de grande porte. Só que nunca havíamos encontrado. Porém, no dia 06/09/2010, bem na véspera do dia da Independência do nosso Brasil, finalmente tivemos a felicidade de encontrar um exemplar gigantesco desta árvore na RPPN Taipas do Rio Itajaí, adjacente à RPPN Corredeiras do Rio Itajaí. Estava com as sementes ("jóias") se desprendendo das vagens, conforme mostra a imagem abaixo.

Copa árvore "olho-de-cabra" (Ormosia arborea) carregada de sementes maduras que encontramos na RPPN Taipa do Rio Itajaí no dia 06/09/2010. Veja o detalhe das vagens com as sementes na imagem abaixo. (Clique sobre a imagem para ampliar)

Um dos dispersores destas sementes é o jacu, que é atraído, ou melhor, enganado pelo colorido das sementes, achando tratar-se de um apetitoso fruto maduro e enche sua moela com estas sementes duras, que acabam não lhe nutrindo. Esta estratégia das árvores enganarem os dispersores com sementes coloridas não é rara. A semente, que é extremamente dura, ao passar pelo aparelho digestivo da ave acaba sofrendo ruptura da casca protetora (quebra de dormência) e assim a água penetra e dispara o processo germinativo.

Detalhe das vagens com as sementes maduras da árvore "olho-de-cabra" (Ormosia arborea) que encontramos na RPPN Taipa do Rio Itajaí no dia 06/09/2010. (Clique sobre a imagem para ampliar)

Enquanto coletávamos algumas sementes para mostrar para os estudantes nas atividades de educação ambiental observamos algumas sementes parcialmente roídas, certamente por ratos silvestres. Algumas destas sementes estavam germinando. Assim, deduzimos que estes animais podem também ser dispersores importantes desta árvore, já que eles estocam as sementes longe da árvore mãe e devem perder algumas sementes com a casca parcialmente roída no meio das folhas secas.

Nossa felicidade foi tanta que nem reclamos muito dos carrapatos (micuins) que pegamos por rastejar sob a árvore para catar as sementes, ou melhor, as jóias.

Escola incentiva alunos a defenderem a Mata Atlântica e toda a biodiversidade

Os simpáticos estudantes do Colégio Global, de São Bento do Sul (SC), sendo recepcionados na sede da RPPN Santuário Rã-bugio.

Tivemos a honra de receber na RPPN Santuário Rã-bugio os simpáticos alunos da 6ª. e 7ª. Séries do COLÉGIO GLOBAL, de São Bento Sul (SC), uma tradicional escola com 22 anos de existência. A viagem de estudos foi organizada pelo coordenador de ensino, Fábio Zwifka.

Dá para ter idéia do excelente nível de qualidade do ensino desta instituição constatando o interesse em ensinar para seus alunos o que temos de mais importante em nossas vidas, que é a preservação da Mata Atlântica, ou seja, dos ambientes naturais do lugar onde vivemos. Eles fizeram, com muito prazer, uma viagem de 60 km, descendo a Serra do Mar, para chegar à RPPN Santuário Rã-bugio, em Guaramirim (SC).

Estudantes na trilha interpretativa da RPPN Santuário Rã-bugio interagindo com a natureza sob orientação da monitora Valéria Weiss Greco

A professora de geografia utilizou em sala de aula as nossas cartilhas que foram distribuídas aos alunos sobre a Mata Atlântica e a riqueza da biodiversidade para desenvolver uma campanha para seus alunos valorizarem a biodiversidade local, bem como as áreas remanescentes de Mata Atlântica do município de São Bento do Sul.

Ações como estas contribuem para melhorar o desempenho dos estudantes em todas as áreas de conhecimentos, segundo estudos de especialistas. Estes estudantes do Colégio Global estão no caminho certo de um futuro promissor em suas vidas. Certamente, serão profissionais de sucesso nas diferentes carreiras que seguirem.

Estudantes do Colégio Global em atividade na trilha interpretativa

Eu, Germano Woehl Junior, tenho uma admiração muito especial por São Bento do Sul e toda sua gente. Meu bisavô, Gregor Wöhl, vindo da Áustria, foi um dos fundadores da cidade e eu morei lá, em 1978, onde estudei no Colégio Estadual São Bento, concluindo o ensino médio que se chamava de científico naquela época. Além disso, uma boa parte das fotos de anfíbios foi tirada nos banhados e riachos preservados deste município.

domingo, 12 de setembro de 2010

Imagens do pedaço do paraíso que estamos lutando para salvar

Imagens do conjuntos das RPPNs no vale do rio do Couro, afluente do rio Itajaí (que causa enchentes em Blumenau). Estamos protegendo as nascentes do rio Itajai beneficiando a população de Blumenau.

Imagens inéditas das RPPNs que criamos em Itaiópolis (SC). São mais de 500 hectares de áreas protegidas. Clique aqui para saber mais detalhes.

Quase toda esta linda floresta que aparece nesta imagem está protegida. Do lado esquerdo ficam as RPPNs Taipa Rio do Couro e Refúgio do Macuco. Do lado direito fica a RPPN Corredeiras do Rio Itajaí.

É considerável o esforço para proteger estas áreas para as gerações futuras e precisamos de ajuda. Não é tão simples salvar a Mata Atlântica como muito imaginam. Não basta comprar a mata para garantir a preservação.RPPN Taipa Rio do Couro. O plantação de eucalipto que aparece no topo do morro é do proprietário confrontante. A linha da divisa da RPPN passa ao lado destes eucaliptos e desce até o rio do couro.

A todo instante aparece um tipo de ameaça. Por ser uma mata preservada, muitos acham que está ali porque ainda não surgiu alguma idéia do que fazer com o terreno e não consideram a possibilidade de mantê-la intacta para proteger a biodiversidade para as gerações futuras.

Temos enfrentado muitos problemas, como a ação dos caçadores, que está sendo combatida com muito empenho e vem diminuindo muito, mas ainda é intensa e ameaça algumas espécies. Outro problema é a captura de passarinhos para o tráfico.

O vale é do rio do Couro, cuja pureza das águas pode ser vista no vídeo da mesnagem abaixo (Elza caminhando).