segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Ilha de Páscoa e o vexame de Copenhague - COP15

LEIAM E REPASSEM! É MUITO IMPORTANTE! REMETE-NOS A MAIS PROFUNDA REFLEXÃO SOBRE O VEXAME QUE ACONTECEU EM COPENHAGUE (COP15).

Segue um trecho do livro COLAPSO, de Jared Diamond, sobre o ecocídio de uma das civilizações mais avançadas que existiu, que habitou a ilha de Páscoa, por cerca de 600 anos (900 – 1.600), até se auto-destruir (junto com todo o ecossitema da ilha que eles aniquilaram), principalmente pela megalomania de construir estátuas gigantes (que consumiam muita madeira e comida) e pela explosão populacional.

Neste livro, que vale a pena ler, Jarred Diamond comenta sobre as fortes evidências de que pelo menos os líderes destas civilizações que colapsaram, como o caso da ilha de Páscoa, sabiam o que os esperava pela frente. A pergunta que o autor faz: "Porque eles não conseguiram evitar o colapso?" O grande fracasso da Rio92, Kyoto e, mais recentemente, o vexame de Copenhague (COP15) nos fornece a resposta.

Jared Diamond escreveu:

Frequentemente me pergunto: “ O que os insulares de Páscoa que cortaram a última palmeira disseram enquanto faziam aquilo?” Será que, assim como os modernos madeireiros, terão gritado. “Emprego sim, árvores não!” Ou: “A tecnologia resolverá nossos problemas, não tema, vamos encontrar um substituto para a madeira”? Ou: “Não temos provas de que não há mais palmeiras em algum outro lugar de Páscoa, precisamos de mais pesquisas, a proposta de proibição da atividade madeireira é prematura e movida por sentimentos alarmistas”? Tais questões são levantadas por todas as sociedades que inadvertidamente danificaram seu ambiente (...)

[Observação: a palmeira que o autor se refere, atingia 2 metros de diâmetro e era endêmica da ilha de Páscoa, assim como dezenas de outras árvores gigantes, plantas e animais – 26 espécies de aves endêmicas foram extintas junto com a civilização deles]

(...) Os paralelos entre a ilha de Páscoa e o mundo moderno são ASSUSTADORAMENTE óbvios. Graças à globalização, comércio internacional, aviões a jato e Internet, todos os países da Terra de hoje em dia compartilham recursos e afetam uns aos outros, assim como fizeram os 12 clãs de Páscoa [uma divisão política mais ou menos equivalente aos estados brasileiros, ou países, como Diamond prefere usar aqui]. A ilha de Páscoa polinésia estava tão isolada no oceano Pacífico quanto a Terra está hoje no espaço. Quando os insulares de Páscoa tiveram dificuldades, não havia pra onde fugir, nem a quem pedir ajuda, assim como nós, modernos terráqueos, também não temos a quem recorrer caso precisemos de ajuda. Essas são as razões pelas quais as pessoas vêem o colapso da sociedade da ilha de Páscoa como uma metáfora – a pior hipótese – daquilo que pode estar nos esperando no futuro.

2 comentários:

João Lopes disse...

ILHA DE PÁSCOA É APENAS UM ENTRE OS MILHARES DE EXEMPLOS QUE TEMOS DA INSANIDADE DE "CIVILIZAÇÕES", MEDIEVAIS OU MAIS RECENTES. VEJAM A ILHA DA MADEIRA, CUJO NOME FOI DADO DEVIDO A IMENSA QUANTIDADE DE FRONDOSAS E CENTENÁRIAS ARVORES QUE LÁ HAVIAM, QUANDO DA "CHEGADA" DOS PATRÍCIOS NAVEGANTES CONQUISTADORES. A DESTRUIÇÃO FOI TAMANHA QUE HOJE RESTAM MENOS DE 2% DO QUE LÁ EXISTIA. COMO SE NÃO BASTASSE TAL EXPLORAÇÃO, ATEARAM FOGO AO QUE RESTAVA, RESULTADO NA EXTINÇÃO COMPLETA DE ESPÉCIES NATIVAS, AS QUAIS NUNCA MAIS TEREMOS OPORTUNIDADE DE CONTEMPLAR.
E ASSIM CAMINHA A "HUMANIDADE", COM ESTE SUBSTANTIVO APENAS NOMINAL, POIS DE CONSCIENTE VAI MUITO LONGE DO QUE DEVERIA SER. A ESPERANÇA QUE NOS RESTA É LUTAR PELOS POUCOS RESÍDUOS DE MATAS NATURAIS QUE AINDA TEMOS. OPORTUNAMENTE ESTIVE NA ILHA DE PÁSCOA, COMO TAM´BEM NA MADEIRA E PUDE CONSTATAR A COMPLETA AUSENCIA DE MATA NATIVA, O QUE SE DIRÁ DA FAUNA QUE DELA DEPENDIA. TEMOS ALGUMAS PLANÍCIES DE PASTO E PLANTAÇÕES DE BANANAS, CLARO QUE COM OS DEVIDOS DEFENSIVOS QUE AFASTAM A BIODIVERSISADE POR COMPLETO E NOS PROPORCIONAM AS CONSEQUENCIAS CANCERÍGENAS CARACTERÍSTICAS DOS QUE CONSOMEM TAIS PRODUTOS. TUDO RUTO DOS NOSSOS COLONIZADORES, ALGUNS ATÉ CONSIDERADOS COMO HERÓIS.

C disse...

Além da Ilha da Madeira, temos Madagascar...toda a floresta está sendo derrubada, nem quem protege o que sobrou, sai ileso. Os lêmures estão quase extintos por falta das árvores. A Conferência foi a maior reunião de ególatras que já tivemos. Partindo desse senhor que se diz presidente, e mancomuna com a ditadura enrustida nos países fronteiriços e além-mar. Se diz salvador de árvores, mas é capaz de deixar o país a mercê de estrangeiros ou mesmos cidadãos dispostos a derrubar e vender barato. Na realidade, ninguém quis essa batata quente chamada Terra, todos tiram o r... da reta, e não foram capazes de cada um ceder um pouco, ou aproveitar o momento (afinal, várias cabeças, podem pensar melhor que uma) e fazer a diferença. Os recursos naturais em toda sua extensão estão ficando escassos, dá-se privilégios para o pré-sal (haja broca e peneira pra chegar até lá), mas não salvamos nossos rios, mananciais e represas da sujeira e do excesso de água jogada fora. Não podemos achar que o que está acontecendo aqui em Sampa pode ser o excesso dela, mas sim, o excesso de asfaltos e cimento, não deixando "frestas" para a água sair. Enfim, foi uma covardia aquela Reunião, sairam de lá, simplesmente e não chegaram a um concenso, NADA. E deixamos nas mãos deles algumas coisas pra resolver. Façamos a nossa parte, por que de lá não vem nada. Que Deus continue a iluminar essa força extraordinária que vcs juntos (vc e a Dona Elisa) têm para colocar algumas coisinhas no lugar. Voces são os beija-flores daquela estorinha, conhece?.Que seja exemplo.Um abraço.